A crise financeira na saúde e a importância da gestão de custos hospitalares

A crise financeira na saúde e a importância da gestão de custos hospitalares

Nos últimos meses várias notícias sobre a situação precária dos hospitais públicos e filantrópicos tem sido veiculadas em todo o Brasil. Em uma rápida busca pela internet podemos encontrar diversos casos que citam a crise financeira na área de saúde: “Hospitais universitários continuam sucateados” (10/01/2016), “A falência da saúde pública no Brasil” (06/01/2016), “Filantrópicos ‘bancam’ saúde pública para manter serviços” (17/07/16), e por aí vai.

A notícia sobre os hospitais filantrópicos, veiculada no dia 17/07 (jornal O Tempo), traduz a grande dificuldade que o Hospital São Francisco de Assis tem passado para manter suas portas abertas. O jornal afirma que o hospital, no fim do ano de 2009, acumulava uma dívida de R$ 45 milhões. A unidade passou por grandes dificuldades, inclusive por uma intervenção. Após ser assumido por uma nova gestão e ter feito um novo pacto com o município, o hospital se recuperou e inaugurou uma segunda unidade em 2015. Porém, com a falta de reajustes na tabela do Sistema Único de Saúde (SUS) e os constantes atrasos nos pagamentos feitos pelo estado, o Hospital São Francisco acumulou, novamente, uma dívida de R$7 milhões.

Mas não para por aí. O cenário é preocupante em vários hospitais de todo o país: leitos fechados, cancelamento de cirurgias, redução nos atendimentos, falta de medicamentos, UTI´s, materiais e equipamentos, demissões… a lista é vasta, então surge a pergunta: o que fazer para a prevenção dessa crise?

A adoção de um sistema que forneça informações estratégicas para a tomada de decisões e para a gestão de custos na área hospitalar é um ponto fundamental. Os sistemas tradicionais estão defasados e já não são capazes de suprir as demandas e necessidades das empresas. Com o uso de sistemas específicos e personalizados de acordo com as necessidades dos clientes, a SPDATA afirma que é possível detalhar os verdadeiros custos dos serviços prestados e assim auxiliar para que as empresas cortem desperdícios, melhorem seus serviços, avaliem a qualidade e busquem a melhoria contínua.

Para a área hospitalar, a SPDATA possui diversas soluções personalizadas como, por exemplo, o SGH (Sistema de Gestão Hospitalar), o SGSP (Sistema de Gestão de Saúde Pública), o PEP (Prontuário Eletrônico do Paciente), sistemas de gestão de suprimentos, de cotação de preços, dentre outros que contribuem de maneira efetiva para a gestão financeira, controle de indicadores, logística e para o aumento da produtividade.

A SPDATA tem 28 anos de mercado, e possui em seu portfólio soluções completas para instituições de saúde abrangendo áreas assistenciais, clínicas, administrativas, estratégicas e Business Intelligence. Além destas soluções, a empresa oferece o treinamento completo para a capacitação dos profissionais que operacionalizarão os sistemas, garantindo assim melhores resultados.

Publicado em: